ESTE BLOG POSSUI CONTEÚDOS ACADÊMICOS RELACIONADOS AO CURSO DE GEOGRAFIA (LICENCIATURA) E, CONTEÚDOS DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA. OBRIGADO PELA VISITA.

COLABORE COM O DESENVOLVIMENTO DESTE BLOG, PARA MAIS ESTUDOS E INFORMAÇÕES IMPORTANTES. MANDE SUA COLABORAÇÃO PARA BANCO DO BRASIL AGENCIA 3744-3 CONTA 9.422-6 MISSAL / PARANÁ.

INTERESSE EM PATROCINAR ESTE BLOG ENTRE EM CONTATO PELO E-MAIL anderson_josebender@hotmail.com

Quem sou eu

Minha foto
Sou simples, honesto, sincero, dedicado, carinhoso, compreensível e de muita fé em DEUS. Sou católico, Professor formado em Educação Infantil, pelo curso de formação de docentes do C.E.P.E.M (Colégio Estadual Padre Eduardo Michelis) de Missal - PR, formado em Geografia (licenciatura) pela UNIGUAÇU – FAESI, e cursando atualmente Pós - Graduação em Educação Especial e Inclusiva.

Pesquisar no blog

Origem das Visitas

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Atividades Lúdicas de Estimulação na Fase Reflexiva (0 a 1 ano)

UNIGUAÇU – UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DO IGUAÇU LTDA.
FAESI – FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO MIGUEL DO IGUAÇU
CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA
Desenvolvimento motor por meio de Jogos e Brincadeiras





ANDERSON JOSÉ BENDER




ATIVIDADES LÚDICAS DE ESTIMULAÇÃO NA FASE REFLEXIVA
 (0 A 1 ANO)




Trabalho apresentado à disciplina de Desenvolvimento motor por meio de Jogos e Brincadeiras - da Faculdade de Ensino Superior de São Miguel do Iguaçu, sob orientação do Professor: Professor Tiago Ribeiro.





SÃO MIGUEL DO IGUAÇU
2014




1 INTRODUÇÃO


A fase reflexiva da criança é um período que corresponde desde o útero da mãe até o primeiro ano de vida. É nessa fase que a criança necessita de muita estimulação e acompanhamento dos pais, pois, estará descobrindo o mundo que está ao seu redor.
Dentro dessa fase, cada mês de vida da criança é uma conquista, pois, ela descobre algo novo e para tanto, os estímulos com atividades lúdicas são essenciais para um bom desenvolvimento da criança.
A atenção para alguns pontos, à observação aos detalhes do desenvolvimento e o acompanhamento pediátrico também devem estar presentes. Nas condições normais, é nesse período que a criança desenvolve seus sentidos, aprende a gatinhar, balbuciar as primeiras palavras e a dar os primeiros passos.
O objetivo deste trabalho é esclarecer em detalhes fase reflexiva e também, apresentar informações sobre os possíveis atrasos nessa fase de vida do bebê. Para tanto, foi realizada uma pesquisa virtual em sites confiáveis que esclarecem bem os fatos.  
    


2 - ATIVIDADES LÚDICAS DE ESTIMULAÇÃO NA FASE REFLEXIVA (0 A 1 ANO)


Durante o processo de desenvolvimento motor é possível observar que a criança apresenta algumas pequenas movimentações, denominados movimentos reflexivos que, surgem através de estímulos provenientes do meio externo, como som, luz, toque ou posição do corpo.
Esses movimentos ocorrem de forma involuntária desde o período fetal até aproximadamente o quarto mês de vida da criança. Nesse período, o bebê é capaz de adquirir informações, buscar alimento e encontrar proteção.
Após o quarto mês, acontece o estágio de codificação, onde o bebê substitui a atividade sensório-motora, envolvendo o processo de estímulos sensoriais com informações armazenadas e não apenas reações aos estímulos. É claro que esse processo varia de um bebê para outro, dependendo do seu desenvolvimento e dos estímulos recebidos. Entretanto, obedecendo a uma média e para a melhor compreensão e entendimento dessa etapa, a mesma é dividida nos doze primeiros meses de vida.

2.1 OS PROCESSOS DE DESENVOLVIMENTO E AS ATIVIDADES DE ESTIMULAÇÃO NOS 12 PRIMEIROS MESES DE VIDA.

Para se perceber todo o processo evolutivo do bebê, essas etapas são apresentadas da seguinte maneira:

·         1° dia ao 30° dia - Ele já nasce com os sentidos apurados, enxergando, ouvindo, sentindo cheiros. É muito importante à atenção e estimulação para a criança, dessa maneira, nos primeiros dias de vida até 30° dia, é importante é deixar o bebê calmo e bem acomodado, longe de qualquer barulho, claridade, cheiro excessivo e acúmulo de muitas pessoas. Os estímulos se apresentam em falar baixinho e segurá-lo com cuidado. Isso já é o suficiente para que ele se desenvolva perfeitamente. A presença da mãe, o colo, o carinho e a voz suave nos momentos de angústia vão fazer o bebê começar a entender suas frustrações, já que o mesmo passa por uma faze muito sensível. Todo esse cuidado é fundamental no desenvolvimento das funções mentais e psíquicas que vão acompanhar a criança pelo resto da vida.

·         1° ao 2° mês de idade – Tem a melhor percepção de um rosto, medida com base na distância entre o bebé e o seio materno. É importante nessa fase estimular a parte sensorial ajudando no desenvolvimento afetivo da criança. O papel dos pais é aprender a identificar o motivo do choro: fome, sono, cólica, frio, fralda suja. Esse é um dos primeiros exercícios para que os pais aprendam a entender e conhecer melhor seus filhotes.

·         2° ao 3° mês de idade - Sorriso social. Nessa fase, o bebê consegue fixar as luzes e são atraídos por barulhos próximos. Para estimular essas descobertas, ofereça brinquedos com essas características. Coloque o brinquedo no campo de visão do bebê, a uns 15 ou 20 cm de distância, e mova para que ele acompanhe com os olhos. Também é importante instalar móbiles no berço para que ele acompanhe o movimento dos brinquedos. Como sugestão, é interessante que esses móbiles de berço possam ser acompanhados de música calma, pois, a música tem poder de acalmar as crianças.

·         3° ao 4° mês de idade - Bebé fica de bruços, levanta a cabeça e os ombros. A estimulação nesse período deve ser de conversa com a criança, olhar, sorrir e fazer gestos. Certamente, ela vai corresponder com um delicioso sorriso. Além disso, os passeios são um ótimo estímulo para o bebê de 3 meses. Quanto mais ele vê, mais aprende. Ao passear de carrinho pelas ruas é possível ver o interesse do bebê por determinados objetos. Alguns se encantam com as árvores, outros com pessoas, mas eles estão sempre atentos ao que acontece ao seu redor. Os brinquedos preferidos são os chocalhos e guizos, que eles conseguem segurar com as mãozinhas e balançar para ouvir o barulho.

·         4° ao 5° mês de idade - Preensão voluntária das mãos virando a cabeça em direção à voz. Nessa fase a estimulação recomendada é se debruçar no berço e provocá-lo com gestos, caretas, objetos e sumir de repente. Ele irá desaprovar a interrupção da brincadeira fazendo bicos, gritando ou até chorando. Eles não querem mais ficar na cama o tempo inteiro. É hora de colocá-lo no bebê conforto para observar o ambiente. Instalar tapetes emborrachados no quarto do bebê e deixá-lo brincar à vontade no chão com objetos interessantes que emitam sons para que ele possa segurar ou tocar, é essencial para a estimulação do bebê.

·         5° ao 6° mês de idade - Inicia-se a noção de “permanência do objeto”. Estimule o bebê brincando com ele fazendo caretas, abra bem a boca, coloque a língua pra fora, faça bicos e emita sons parecidos com os que ele faz para que ele possa imitar. Use também o espelho para provocar reações. Provavelmente, ele vai sorrir e vocalizar para a sua própria imagem. Nesta fase é extremamente importante a presença do pai. Sugere-se que seja ele que realize a maior parte dos estímulos na criança e sempre coloque músicas variadas para tocar e cante junto com ele, bata palmas e veja a sua reação.

·         6° ao 7° mês de idade - O bebê senta-se sem apoio. É fundamental que os pais conversem e falem com o bebê, mesmo que ele não entenda o significado das palavras. Mostre as cores e diga os nomes, imite o barulho dos animais, cante musicas infantis, aponte as partes do corpo e diga os nomes. Esse estímulo é muito importante para o bebê, pois, a voz da mãe ajuda a incentivar a fala do bebê. Aos 6 meses, ele tenta modular suas emissões vocais de acordo com o que ouve da mãe. Outro estimulo dentro dessa fase, é o contato com outras crianças, principalmente com irmãos mais velhos, é excelente, pois facilita tanto o desenvolvimento mental quanto o social. Ele aprende a dividir, se comunicar, respeitar, impor suas vontades. Também se deve incentivar o bebê a se arrastar para pegar os brinquedos. Coloque seu brinquedo preferido a alguns centímetros de onde ele está e faça movimentos, barulhos e chame o bebê, ensinando-o a gatinhar.

·         7° ao 8° mês de idade - o bebê arrasta-se, gatinha. Estimule o bebê sentando-o no chão e coloque seus brinquedos preferidos em volta dele. Ele vai observar escolher um para brincar, depois trocar por outro. O bebê poderá se distrair assim durante muito tempo. É interessante que o bebê brinque com outras crianças também. Em geral, os bebês gostam de observar e interagir com irmãos mais velhos e primos. A presença da mãe continua sendo muito importante nessa fase, caso trabalhe fora, deverá compensar essa presença à noite e nos finais de semana.

·         8° ao 9° mês de idade - O bebê gatinha ampliando seu equilíbrio chegando a andar com apoio. Estimule o bebê colocando-o em frente a um espelho e veja como ele faz festa para a própria imagem. Realize brincadeiras como: “Cadê a mamãe? Achou!”. O bebê de 8 meses adora essa brincadeira em que a mãe se esconde atrás de uma fralda e ele tem que tirar o pano do rosto para achá-la. Outros estímulos importantes são os de fazer caretas e sons para a criança imitar, bater palma, brincar de pegar e soltar e colocar o bebê a cavalo sobre a barriga. Brinquedos para martelar, empilhar e desmontar pode distrair a criança durante certo tempo. OBS: Nessa fase a criança ainda não compreende a palavra “não”, mesmo assim, diga-a olhando em seus olhos e mudando o tom da sua voz para uma maneira mais séria, tirando de suas mãos objetos inadequada para que ela aprenda os seus limites.

·         9° ao 10° mês de idade - O bebê fica em pé sem apoio.  Estimule a criança conversando e explicando para ela tudo o que vai fazer, seja no banho, na refeição, na troca de roupa. Diga: “abre a boca”, “vamos lavar a perninha”, “a fralda está suja”, “vamos colocar a roupa vermelha”. E lembre-se de pronunciar as palavras corretamente. Outro estimulo visual, são os livrinhos de cores fortes. Algumas editoras desenvolvem livros para essa faixa etária com diferentes texturas, figuras alegres, sons. Os bebês adoram e podem aprender muito com eles. Para fortalecer a musculatura, ajude seu filho a se manter em pé. Esse estímulo vai ser importante para a fase de andar. Ensine também a criança a usar corretamente seus brinquedos, mostrando como fazer, guiando suas mãozinhas, ajudando e aplaudindo quando ela acerta.

·         10° ao 11° mês de idade - O bebê possui a acuidade visual de um adulto. Estimule-o Levando-o para brincar na praça, no parquinho, na praia. Nos dias quentes, ele vai adorar entrar numa piscina e fazer bastante bagunça com a água. Coloque em sua mãozinha objetos diferentes para serem manuseados, como texturas, formas, pesos e tamanhos diversos. Ofereça brinquedos de encaixe, conte histórias curtas e mostre figuras de livros infantis. Lembre-se de estimular a criança apenas dentro dos seus limites.

·         11° ao 12° mês de idade – Começa a dar os primeiros passos e explorar o ambiente mais amplo. Estimule-o com brinquedos coloridos e leves, de várias texturas, pois isso vai estimular os sentidos da visão, da audição e do tato. Deixe a criança experimentar bonecas de tecido e bichos de pelúcia feitos de materiais atóxicos, que são gostosos de tocar e abraçar. Além desses estímulos, os brinquedos mais estimulantes e divertidos são os de empurrar e puxar, como um pequeno caminhão, e os brinquedos com peças grandes de montar e desmontar. Brinque com a criança de colocar e tirar objetos de uma caixa e veja como ela participa e se diverte. Esse é o momento de estimular a fala. Toque cantigas de roda e cante para ela. 

·         12° mês ao 1° ano completo – A criança começa a firmar seus passos e a expressar (balbuciar) as primeiras palavras. Segure-a por baixo dos braços para ela dar os primeiros passos. Conforme estiver mais confiante, segure apenas pelas mãozinhas. Com o tempo e o progresso do andar, solte uma das mãos até que ela consiga caminhar sem ajuda. Se a criança cair tentando andar, ajude-a a se levantar, mas não faça disso um drama.  Deixe-a abrir os embrulhos dos presentes que ganhar. Apenas dê uma ajudinha.   Esconda os brinquedos e ajude-a a procurar. Busque por exercícios como a natação. Não adianta dizer para a criança a comer toda a comida e deixar a sua própria sobrar no prato, pois, ela imita as atitudes dos pais, é importante dar bons exemplos. Uma boa maneira de fazer isso é guardar os brinquedos no lugar na hora de dormir e pedir “por favor”, e “obrigado” para a criança.


2.1.1 As Variações de Desenvolvimento Entre Uma Criança e a Outra.

É importante lembrar que todo esse processo é aproximado, dependendo muito do bebê, da família e do próprio desenvolvimento da criança como aponta o site Guia do Bebê (2014) “Cada criança tem seu próprio ritmo de desenvolvimento, que pode ser influenciado pelos fatores hereditários, pelo ambiente e, principalmente pelos estímulos que recebe”. Portanto é fácil compreender que esses dados são baseados em crianças normais sem nenhum problema grave.
Crianças com algum tipo de deficiência podem não atender a sequência desse desenvolvimento causando problemas no seu desenvolvimento. De acordo com a organização mundial da saúde são aproximadamente 17% as crianças que apresentam algum distúrbio no desenvolvimento.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, 17% das crianças entre zero e três anos tem algum distúrbio do desenvolvimento. O mais frequente deles é o retardo mental, sendo o autismo infantil o segundo, na ordem de prevalência. Outros distúrbios, como déficits visuais, auditivos, déficits motores e de linguagem, concorrem para prejudicar o crescimento das crianças, causar transtornos muitas vezes muito sérios e determinar impedimentos para a vida independente no futuro.  (ARAUJO, 2014, SITE VYA ESTELAR)

Ainda de acordo com Araujo (2014), “a Academia Americana de Pediatria descreve determinados sinais que, se observados nas crianças de zero a dois anos, deveriam conduzi-las a profissionais especializados”.
- Falta do sorriso ou expressão de alegria aos 6 meses.
- Falta de troca de sons, sorrisos ou outra expressão facial aos 9 meses
- Falta da lalação aos 12 meses - ruídos vocais que não fazem parte da língua falada.
- Falta de gestos comunicativos, como apontar, mostrar, procurar aos 16 meses.
- Ausência de palavras aos 16 meses
- Ausência de frases de 2 palavras que tenham significado aos 24 meses
- Perda da fala ou de quaisquer habilidades adquiridas, em qualquer idade.
(ARAUJO, 2014, SITE VYA ESTELAR)


É importante que os pais sempre fiquem atentos a todos esses sinais, e sempre estejam em acompanhamento médico, desde o pré-natal e durante todo o desenvolvimento do bebê. Acompanhamentos pediátricos são fundamentais, pois, são profissionais especializados e sempre conduzem da melhor forma possível o bebê, para que este tenha um bom desenvolvimento durante suas fases.



3  CONSIDERAÇÕES FINAIS


Através desse estudo, percebe-se que os primeiros dias de vida de um bebê são essenciais para o seu desenvolvimento. O acompanhamento dos pais é indispensável, pois, é neles que o bebê adquire a confiança e a segurança.
Cada estimulo realizado nessa fase, desenvolve uma conquista na criança e na medida em que ela vai crescendo, ela realiza novas descobertas fortificando os reflexos na parte sensório-motora, descobrindo o seu “eu” e o mundo externo ao seu redor passando em seguida para o estágio de codificação, onde o bebê começa a juntar as informações, desenvolvendo o cérebro e reagindo as suas vontades.
Entretanto, todo esse desenvolvimento depende muito de um bebê a outro e, quando este bebê não desenvolve ou tem dificuldades em algum período do primeiro ano de vida, é importante que os pais o encaminhem a profissionais especializados para se descobrir e tratar o problema da melhor maneira possível.


REFERÊNCIAS


ARAUJO, Ceres. Problemas no Desenvolvimento Infantil. Vya Estelar. Seção família. Disponível em: http://www2.uol.com.br/vyaestelar/crianca_desenv.htm Acesso em 03/07/2014.

GALLAHUE, David L.; OZMUN, John C. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. 3.ed. São Paulo: Phorte, 2005. Seção Educação Física. Disponível em: http://www.educacaofisicanaveia.com.br/fase-motora-reflexa/ . Acesso em 04/07/2014.

GUIA DO BEBÊ. Desenvolvimento do bebê e da criação. Seção Desenvolvimento do bebê. Disponível em: http://www.desenvolvimentodobebe.com.br/o-desenvolvimento-do-bebe-e-da-crianca/ . Acesso em 03/04/2014.


MÃE – ME – QUER. Tabela de desenvolvimento da criança. Seção desenvolvimento infantil. Disponível em: http://www.maemequer.pt/desenvolvimento-infantil/crescer/desenvolvimento/tabela-desenvolvimento-da-crianca-dos-0-meses-aos-10-anos-de-idade . Acesso dia 03/07/2014. 

NAZÁRIO, Patrik Felipe; ARINS, Gabriel Claudino Budal; KURZ, Guilherme Henrique. Desenvolvimento motor e os movimentos reflexos. Revisão de literatura. EfDeportes.com. - Ano 16 - Nº 158, Buenos Aires, Julho de 2011. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd158/desenvolvimento-motor-e-os-movimentos-reflexos.htm . Acesso 03/07/2014.


Marcadores