ESTE BLOG POSSUI CONTEÚDOS ACADÊMICOS RELACIONADOS AO CURSO DE GEOGRAFIA (LICENCIATURA) E, CONTEÚDOS DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA. OBRIGADO PELA VISITA.

COLABORE COM O DESENVOLVIMENTO DESTE BLOG, PARA MAIS ESTUDOS E INFORMAÇÕES IMPORTANTES. MANDE SUA COLABORAÇÃO PARA BANCO DO BRASIL AGENCIA 3744-3 CONTA 9.422-6 MISSAL / PARANÁ.

INTERESSE EM PATROCINAR ESTE BLOG ENTRE EM CONTATO PELO E-MAIL anderson_josebender@hotmail.com

Quem sou eu

Minha foto
Sou simples, honesto, sincero, dedicado, carinhoso, compreensível e de muita fé em DEUS. Sou católico, Professor formado em Educação Infantil, pelo curso de formação de docentes do C.E.P.E.M (Colégio Estadual Padre Eduardo Michelis) de Missal - PR, formado em Geografia (licenciatura) pela UNIGUAÇU – FAESI, e cursando atualmente Pós - Graduação em Educação Especial e Inclusiva.

Pesquisar no blog

Origem das Visitas

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Aula de Climatologia I (Climas)

CLIMAS DO BRASIL

[...] a classificação climática resulta da necessidade de sintetizar e agrupar elementos climáticos similares em classes ou tipos climáticos, a partir dos quais as regiões climáticas são mapeadas, o que permite olhar a superfície da Terra como um mosaico composto por unidades climáticas individualizadas e complementares (MENDONÇA; DANNI-OLIVEIRA, 2007, p. 114).



 
Cfa – C, O mês mais frio tem temperatura média entre -3ºC e 18ºC. O mês mais moderadamente quente tem uma temperatura média maior do que 10ºC; f, nenhuma estação seca, úmido o ano todo; a, verão quente, o mês mais quente tem temperatura média maior do que 22ºC; (Wladimir Köppen).





Arthur Strahler
Domínio climático subtropical úmido

MTM alcançam as costas orientais dos continentes e movem-se para o interior. Entre 25 e 35º N e S. Precipitação abundante durante todo o ano, especialmente no verão. No inverno, os avanços freqüentes das massas polares e as perturbações ciclônicas geram temperaturas baixas, com amplitude térmica moderada e chuvas freqüentes. Sudoeste dos EUA e da China, sul da Coréia e do Japão, sul do Brasil, região platina, sudeste da África e Austrália.

Ciclone Tropical 

Anticiclones (altas pressões) = bom tempo em seu centro.
A Atmosfera nas regiões tropicais apresenta movimento turbilhonares do ar em larga escala espacial, em torno de um centro de baixas pressões. Formam-se sobre os oceanos e caracterizam-se por fortes ventos e chuvas.

Formação de um ciclone tropical


A origem está vinculada a liberação de calor latente (transmissão de calor) para o ar no momento da condensação em condições de convecção (mais comum nas regiões tropicais).
Forma-se uma gigantesca quantidade de energia calorífica em movimento circular (sentido horário no H. S.) ao redor de um centro de baixas pressões. Movimentos de ascendência e subsidência fornecem energia necessária ao ciclone
Quanto mais aquecidas as águas superficiais dos oceanos, maior será a potência dos ciclones (El Ninõ).
►27°C;
► Entre 5° e 15° de latitude mas às vezes entre 22° e 35° latitude N e S;
► Final do verão de cada hemisfério;
► Pode ter entre 500 e 1.000km de diâmetro;
► Sentido de deslocamento = Leste – Oeste; 

Esquema de Ciclone tropical.


 
 Massas de ar

►Principais características – temperatura e umidade.
Conceito - unidade aerológica, ou uma porção da atmosfera, de extensão considerável, que possui características térmicas e (umidade) homogêneas.
Condições para a formação:
-          Superfícies com considerável planura e extensão;
-          Baixa altitude e;
-          Homogeneidade quanto as características superficiais.
Portanto, elas se foram somente em oceanos, mares e planícies continentais.
A movimentação de uma massa de ar é marcada por uma alteração permanente de suas características.
A posição zonal de uma massa de ar define suas condições térmicas: massas originadas nas baixas latitudes são quentes; nas médias latitudes são frias e, nas altas latitudes, glaciais.
Será úmida quando se forma em áreas oceânicas ou marítimas e secas quando formadas em áreas continentais. Uma exceção e a MEC (Massa Equatorial Continental).
 Tipologia e designação das massas de ar 

Há 4 tipos básicos de massas de ar:
- Quente e úmida: é formada nas baixa latitudes (zona equatorial-tropical), sobre os oceanos ou, excepcionalmente, sobre a Amazônia;
-          Quente e seca: é formada nas baixas latitudes (zona equatorial-tropical), sobre os continentes;
-          Fria e úmida: é formada nas latitudes médias (zona temperada) e sobre os oceanos; e
-          Fria e seca: é formada sobre os continentes nas latitudes médias (zona temperada) e nas altas latitudes (zona polar).
Tanto o ar tropical quanto o polar percorrem longas distâncias. O percurso maior é, porém, do ar polar.
O deslocamento do ar no sentido Pólo-Equador gera as frentes.

Frentes

O encontro de duas massas de ar de características diferentes produz uma zona ou superfície de descontinuidade (térmica, barométrica e higrométrica) no interior da atmosfera, genericamente denominada de frente.
Frontogênese – processo de origem das frentes;
Frontólise – dissipação.
Há duas grandes frentes no Planeta: a frente ártica/antártica e as frentes polares.

Frente ártica/antártica – é ativa principalmente no inverno e corresponde ao contato entre as massas de ar glacial ártica/antártica e das massas de ar polares (menos fria) proveniente dos oceanos.
Frente polar – predomina em latitudes médias e baixas, separa o ar polar do ar tropical. Há dois tipos: frente fria: quando o ar frio avança sobre o ar quente e frente quente: quando o ar quente avança sobre o ar frio.
A passagem de uma dessas duas frentes é acompanhada de instabilidade. Provocam sucessão de tipos de tempo.
 
Frente fria – o ar frio, mais denso e mais pesado, empurra o ar quente para cima e para frente, fazendo-o retirar-se da área, tanto por elevação (ascensão) quanto por advecção.
Frentes frias de deslocamento rápido ocorrem entre as regiões polares e as regiões subtropicais, enquanto que aquelas de deslocamento lento predominam na faixa intertropical.
Frente quente – ocorre quando o ar quente consegue empurrar o ar frio de uma determinada localidade. A menor densidade do ar quente e o atrito com a superfície fazem com que o ar quente tenha, em relação à frente fria, mais dificuldade de empurrar o ar frio adjacente. Assim, a linha de frente quente configura-se como uma cunha formada pelo ar frio na base e o quente sobre ele. Forma nevoeiros e chuvas de fraca intensidade.

 As massas de ar na América do Sul e sua dinâmica
A dinâmica atmosférica da América do Sul, devido, principalmente, à sazonalidade da radiação, à considerável extensão longitudinal do continente e ao afunilamento deste com o aumento da latitude, além da configuração do relevo, é marcada pela atuação de massas de ar equatoriais, tropicais e polares (MENDONÇA; DANNI-OLIVEIRA, 2007, p. 107).

Predominam as massas de ar de origem oceânica propiciando ao continente considerável umidade; As paisagens semi-áridas e/ou desérticas formam-se sobre o continente sul-americano devido a relação dinâmica atmosférica x relevo.

 Distribuição das massas de ar na América do Sul segundo suas fontes e seus deslocamentos principais

Na faixa equatorial

Massa equatorial do Atlântico norte e sul (MEAN e MEAS) – quente e úmida. São atraídas devido a diferença de pressão entre o continente e o oceano. Ocorre no N e no NE no verão.
Massa de ar equatorial continentais (MEC) – quente e úmida. Origem: Amazônia. No verão o ar se desloca para o sul. É chamada de ondas de calor de NO na região Centro-sul.
Massa tropical atlântica (MTA) – quente e úmida. É uma das principais massas de ar que atuam na América do Sul e no Brasil. Origem: centros de altas pressões subtropicais. Ocorre no verão, trazendo umidade e calor.
Predominam as massas de ar de origem oceânica propiciando ao continente considerável umidade;
 As paisagens semi-áridas e/ou desérticas formam-se sobre o continente sul-americano devido a relação dinâmica atmosférica x relevo.
Massa tropical continental (MTC) – quente e seca (área de divergência de ar, elevando-se). forma-se no final do inverno e início da primavera, antes da estação chuvosa. É também conhecida como Depressão do Chaco (veranico).
Massa tropical pacífica (MTP) – atua sobre o oceano Pacífico. A origem do deserto de Atacama (NE do Chile) vincula-se ao deslocamento da MTP.

Na faixa subpolar

Massa polar (MP) – fria e úmida. Origem: patagônia. É atraída pelas baixas pressões equatoriais e tropicais. Na Cordilheira a MP divide-se em MPP (deslocamento limitado) e MPA (deslocamento facilitado devido a calha do Rio da Prata chegando por vezes a latitudes de 0º - friagens).


Fonte: Atlas Geográfico Escolar - Maria Elena Simielli/Mário De Biasi

 Climas Controlados por Massas de Ar Equatoriais e Tropicais
Equatorial Úmido (Convergência dos Alísios) 
Tropical (Inverno seco e verão úmido) 
Tropical Semi-Árido (Tendendo a seco pela irregularidade da ação das massas de ar) 
Litorâneo Úmido (Influenciado pela Massa Tropical Marítima) 
Climas Controlados por Massas de Ar Tropicais e Polares 
Subtropical Úmido (Costas orientais e subtropicais, com predomínio da Massa Tropical Marítima)     

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marcadores