ESTE BLOG POSSUI CONTEÚDOS ACADÊMICOS RELACIONADOS AO CURSO DE GEOGRAFIA (LICENCIATURA) E, CONTEÚDOS DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA. OBRIGADO PELA VISITA.

COLABORE COM O DESENVOLVIMENTO DESTE BLOG, PARA MAIS ESTUDOS E INFORMAÇÕES IMPORTANTES. MANDE SUA COLABORAÇÃO PARA BANCO DO BRASIL AGENCIA 3744-3 CONTA 9.422-6 MISSAL / PARANÁ.

INTERESSE EM PATROCINAR ESTE BLOG ENTRE EM CONTATO PELO E-MAIL anderson_josebender@hotmail.com

Quem sou eu

Minha foto
Sou simples, honesto, sincero, dedicado, carinhoso, compreensível e de muita fé em DEUS. Sou católico, Professor formado em Educação Infantil, pelo curso de formação de docentes do C.E.P.E.M (Colégio Estadual Padre Eduardo Michelis) de Missal - PR, formado em Geografia (licenciatura) pela UNIGUAÇU – FAESI, e cursando atualmente Pós - Graduação em Educação Especial e Inclusiva.

Pesquisar no blog

Origem das Visitas

sábado, 17 de setembro de 2011

Os Sistemas Agrários


SISTEMAS AGRÁRIOS 

OBS: Os conteúdos foram retirados do site WIKIPÉDIA. E para facilitar a pesquisa foi feita uma seleção dos sistemas agrários. No entanto os conteúdos foram revisados e revistos para não trazerem nenhuma informação distorcida.

Agricultura Itinerante

É um dos métodos utilizados na agricultura. Consiste em atear fogo na mata, a queimada, para então seguir com o destocamento e semear a terra. É aplicada em áreas de agricultura descapitalizada. A produção é feita em pequenas e médias propriedades, como também em grandes latifúndios. Os indígenas a utilizam amplamente.

Características

Ao não fazer uso das técnicas corretas de manuseamento como: adubar e construir trechos de água, somados a ação das chuvas ou da falta destas, a terra poderá vir a esgotar-se de uma maneira mais rápida e levar o agricultor a abandoná-la e usar o método em outra área, o que pode fazer com que tudo torne a acontecer, acarretando em mais desmatamento mesmo que seja sem a intenção de fazê-lo, pois como o nome sugere, itinerante, mudar, trocar de lugar.
Manuseio por mão-de-obra familiar e uso de técnicas tradicionais e rudimentar.
Alimentos mais produzidos: milho, nabo, mandioca, inhame, rabanete, etc.
Essa técnica é amplamente conhecida apenas em países em desenvolvimento (PED), localizados na África, América Latina e Ásia Central.

Fonte


Agricultura de Jardinagem

Agricultura de jardinagem é uma expressão que se originou no sul e sudeste da Ásia, onde há uma enorme produção de arroz em planícies inundáveis, com utilização intensiva de mão de obra.
Pelas características do plantio do arroz ser feito em mudas e ocupando grandes áreas o seu aspecto lembra de um grande jardim, daí o seu nome.

Organização

Esse sistema é praticado em pequenas e médias propriedades cultivadas pelo dono da terra e sua família ou em parcelas de grandes propriedades. Nelas é obtida alta produtividade, através do selecionamento de sementes, da utilização de fertilizantes, da aplicação de avanços biotecnológicos e de técnicas de preservação do solo que permitem a fixação da família na propriedade por tempo indeterminado. A agricultura de jardinagem consiste basicamente na rizicultura, mas, além disso, a agricultura de jardinagem também consiste na produção de cereais, como arroz, trigo, entre outros, e hortaliças.
Em países como as Filipinas, Tailândia, Indonésia, etc., devido a elevada densidade demográfica, as famílias contam com áreas muitas vezes inferiores a 1 hectare e as condições de vida são bastante precárias.
Em países que realizam reforma agrária - Japão e Taiwan - e ao redor dos grandes centros urbanos de áreas tropicais, após a comercialização da produção e a realização de investimentos para a nova safra, há um excedente de capital que permite melhorar, a cada ano, as condições de trabalho e a qualidade de vida da família.
Ela pode ser encontrada em várias regiões do sul, sudeste e leste da Ásia. Na China, desde que foram extintas as comunas populares, após a morte de Mao-tsé-tung, em 1976, houve significativo aumento da produtividade. A produção é predominantemente obtida em propriedades muito pequenas e em condições de trabalho muito precárias. Devido ao excedente populacional, a modernização da produção agrícola foi substituída pela utilização de enormes contingentes de mão de obra.
No entanto, em algumas províncias litorâneas, está havendo um processo de modernização, impulsionado pela expansão de propriedades particulares e da capitalização proporcionada pela abertura econômica a partir de 1978. Sua produção é essencialmente voltada para abastecer o mercado interno.
Enfim, agricultura de jardinagem, apesar de possuir pequenos territórios, não utiliza máquinas, pois possui muita mão-de-obra que acaba substituindo o uso destas, sendo ainda uma agricultura do tipo intensiva.

Fonte


Plantátion

É um tipo de sistema agrícola (uma plantação) baseado em uma monocultura de exportação mediante a utilização de latifúndios e mão-de-obra escrava. Foi bastante utilizado na colonização da América -sendo mais tarde fora levada para a África e Ásia-, principalmente no cultivo de gêneros tropicais e é atualmente comum a países subdesenvolvidos, com as mesmas características, exceto, obviamente, por não mais empregar mão-de-obra escrava.
A primeira característica do plantation é a monocultura. Nesse sistema, são produzidas grandes quantidades de um só produto que se adapta muito bem ao solo e ao clima da região. Os produtos cultivados por meio do plantation no Brasil são cana-de-açúcar, café, soja, etc.
Nesse sistema, toda a produção é voltada quase que totalmente para o mercado externo, permanecendo no país apenas produtos de baixa qualidade. As colônias eram exploradas de uma forma especulativa, sem nenhum interesse, por parte das metrópoles, na melhora do país em que o plantation era estabelecido.
A mão-de-obra utilizada era composta principalmente por escravos e indígenas. Através da dominação econômica muitos camponeses e pessoas de baixa renda também eram obrigados a trabalhar nas plantações. O plantation ocasionou o surgimento de grandes latifúndios, uma vez que enormes porções de terra eram destinadas a uma só pessoa. Atualmente, alguns países subdesenvolvidos ainda utilizam o sistema do plantation.
Embora a maioria tenha substituído a mão-de-obra escrava pela assalariada, ainda existe o trabalho escravo, mesmo que proibido. No Brasil, o plantation ainda é utilizado em regiões que cultivam cana-de-açúcar ou café.
Na zona tropical, existe uma forma de cultivo comercial denominada Plantation, ou cultivo especulativo, que é organizado para o mercado externo e não considera os interesses da economia e da sociedade da região ou do país onde é realizado. Esse tipo de cultivo foi introduzido nos países tropicais (África), com a finalidade de complementar a agricultura da zona temperada (Europa), e se caracteriza por:
  • grandes propriedades;
  • cultivo de produtos tropicais;
  • monocultura;
  • emprego de mão-de-obra barata, inicialmente escrava;
  • utilização de recursos técnicos;
  • produção voltada para a exportação.
Fonte


Agricultura Tradicional

É um tipo de agricultura praticada em minifúndio (ou seja numa pequena propriedade), pratica a policultura (ou seja o cultivo de vários produtos no mesmo local).
Este tipo de agricultura utiliza técnicas rudimentares, artesanais e ancestrais. Tem como destino de produção o autoconsumo e subsistência das famílias que a praticam. Tem um baixo rendimento e produtividade agrícolas.

Fonte


Agricultura convencional

Em geral esse termo denomina o cultivo dos campos utilizando as técnicas tradicionais de preparo do solo e controle fitossanitário. É comum dizer que, em princípios, a agricultura convencional se opõe à orgânica. No sistema convencional, o cultivo agrícola segue basicamente a seguinte ordem:

1.  ) Remoção da vegetação nativa (desmatamento);
2.  ) Aração;
3.  ) Calagem;
4.  ) Gradagem;
5.  ) Semeadura;
8.  ) Capinas (manual, mecânica ou por uso de herbicidas);
9.  ) Colheita.
OBS.: Diversas particularidades podem ocorrer a essa ordem, conforme a cultura em questão.

Fonte


Agricultura Contemporânea ou moderna

É caracterizada pela grande utilização de meios tecnológicos, que ampliaram a quantidade e a qualidade da produção.
Com máquinas potentes, e usufruindo de inovações tecnológicas, boa parte dos trabalhadores tiveram seus postos de trabalho realocados, ou seja, deixaram de empregar sua força de trabalho diretamente no trato da terra, e agora exercem outras funções, tais como operar máquinas agrícolas, consertá-las e gerir a propriedade.
Uma das maiores conquistas da agricultura contemporânea foi a invenção dos transgênicos que permitem aumentar a produção, diminuir os custos, facilitar o manuseio ou então produzir alimentos com melhores qualidades.
Além da modernização e mecanização ocorre a informatização. A agricultura contemporânea gerou o surgimento de novas profissões, tais como: administração rural, biotecnologia, engenharia de alimentos, engenharia de computação para a agropecuária, engenharia agrônoma, entre outros. A produção é direcionada tanto para o mercado interno quanto para o externo.

Fonte

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marcadores