ESTE BLOG POSSUI CONTEÚDOS ACADÊMICOS RELACIONADOS AO CURSO DE GEOGRAFIA (LICENCIATURA) E, CONTEÚDOS DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA. OBRIGADO PELA VISITA.

COLABORE COM O DESENVOLVIMENTO DESTE BLOG, PARA MAIS ESTUDOS E INFORMAÇÕES IMPORTANTES. MANDE SUA COLABORAÇÃO PARA BANCO DO BRASIL AGENCIA 3744-3 CONTA 9.422-6 MISSAL / PARANÁ.

INTERESSE EM PATROCINAR ESTE BLOG ENTRE EM CONTATO PELO E-MAIL anderson_josebender@hotmail.com

Quem sou eu

Minha foto
Sou simples, honesto, sincero, dedicado, carinhoso, compreensível e de muita fé em DEUS. Sou católico, Professor formado em Educação Infantil, pelo curso de formação de docentes do C.E.P.E.M (Colégio Estadual Padre Eduardo Michelis) de Missal - PR, formado em Geografia (licenciatura) pela UNIGUAÇU – FAESI, e cursando atualmente Pós - Graduação em Educação Especial e Inclusiva.

Pesquisar no blog

Carregando...

Origem das Visitas

sexta-feira, 11 de maio de 2012

As Estruturas e as Formas do Relevo Brasileiro


1 - Introdução
! Relevo brasileiro => relação com o Continente Americano (evolução e dinâmica da litosfera)
! Relevo do Continente => cadeia Andina(formação no mesozóico);
! Território brasileiro = fo rmado por estruturas geológicas antigas, com exceções das bacias de sedimentação recente.
! No Brasil, as estruturas e as formações litológicas são antigas, mas as formas do relevo são recentes (desgastes erosivos que sempre ocorreram).
•Cordilheira = alta (> 4000m);
•Terrenos do Centro e Leste = baixos (< 1000 m), desgastados;
•Entre os dois = corredor de terrenos baixos, constituídos por sedimentação recente.

2 - Relevo Brasileiro
! Grande Parte das rochas e estruturas que sustentam as formas do relevo brasileiro são anteriores à atual configuração do continente sul-americano, que passou a ter o seu formato depois da orogênese andina e da abertura do Oceano Atlântico, a partir do mesozóico.

3 - Geologia do Brasil
•Crátons – terrenos mais antigos e arrasados por muitas fases de erosão (prevalecem as rochas metamórficas);
•Dobramentos Antigos – Antigas cadeias montanhosas encontram-se desgastadas pelas diversas fases erosivas;
•Bacias sedimentares – formaram-se no fanerozóico.

! As rochas do pré-cambriano serviram de substrato para acumulação de deposição das rochas fanerozóicas nas bacias sedimentares.
! A distribuição das diferentes unidades rochosas, no nosso país, é caracterizada pela existência de duas grandes províncias geotectônicas: Embasamento Cristalino (ou Pré-cambriano) e as Bacias Sedimentares.
! Território brasileiro se encontra completamente inserido dentro da Plataforma Sul-America, cuja história geológica remonta há mais de 2.600 milhões de anos atrás
! O conhecimento geológico do Território Nacional permitiu a identificação de diversos ambientes geológicos, alguns portadores de importante jazidas minerais;
! Do Arqueano (Arqueozóico) são os terrenos mais antigos do Território. Contém rochas datadas de mais de 3800 milhões a 2500 milhões de anos (Granito); A Serra do Carajás, no estado do Pará, encerra uma importante jazida de ferro, datada desta época; Geologicamente, a separação do Brasil da África foi bastante Significativa.

Províncias e estruturas brasileiras




! Escudo das Guianas – Rochas arqueanas, fragmentadas (3.1 bi);
! Xingu ou Tapajós – Cráton de Guaporé (1980);
! Província S. Francisco – do Arqueano. Dos quartzitos do Espinhaço ao ferro do
Quadrilátero;
! Província Borborema – apresenta dobramentos antigos;
! Mantiqueira – Dobramentos
! Bacias Fanerozóicas – pós 5,5 M. Domínios Morfoclimáticos
! Dentre os diversos tipos de clima e relevo existente no Brasil, observamos que os mesmos mantêm grandes relações, sejam elas de espaço, de vegetação, de solo entre outros, caracterizando vários ambientes ao longo de todo território nacional.
! Para entende-los, é necessário distinguir um dos outros. Pois a sua compreensão deve ser feita isoladamente. Nesse sentido, o geógrafo Aziz Ab’Saber, propôs uma classificação desses ambientes chamados de Domínios Morfoclimáticos.
! Este nome, morfoclimático, é devido às características morfológicas e climáticas encontradas nos diferentes domínios, que são 6 (seis) ao todo e mais as faixas de transição. Em cada um desses sistemas, são encontrados aspectos, histórias, culturas e economias divergentes, desenvolvendo singulares condições, como de conservação do ambiente natural e processos erosivos provocados pela ação antrópica.

! Os domínios morfoclimáticos brasileiros são definidos a partir das características climáticas, botânicas, pedológicas, hidrológicas e fitogeográficas.
! Com esses aspectos é possível delimitar seis regiões de domínio morfoclimático.
! Como a extensão territorial do Brasil é muito grande, vamos nos defrontar com domínios muito diferenciados uns dos outros. Esta classificação dividiu o Brasil em seis domínios:
! I – Domínio Amazônico – região norte do Brasil, com terras baixas e grande processo de sedimentação; clima e floresta equatorial;
II – Domínio dos Cerrados – região central do Brasil, como diz o nome, vegetação tipo cerrado e inúmeros chapadões;
III – Domínio dos Mares de Morros – região leste (litoral brasileiro), onde se encontra a floresta Atlântica que possui clima diversificado;
IV – Domínio das Caatingas – região nordestina do Brasil (polígono das secas), de formações cristalinas, área depressiva intermontanhas e de clima
semi-árido;
V – Domínio das Araucárias – região sul brasileira, área do habitat do pinheiro brasileiro (araucária), região de planalto e de clima subtropical;
VI – Domínio das Pradarias – região do sudeste gaúcho, local de coxilhas subtropicais.




Unidades do Relevo Brasileiro

! Toda a história do relevo brasileiro e sua cronologia são mais significativas a partir do Cretáceo (período do Mesozóico, há 70 milhões de anos), ou seja, ao longo do Terciário – Quaternário;
! A compartimentação do relevo tem fortes ligações genéticas com o soerguimento da plataforma sulamericana, ao longo do Cretáceo, e com os processos erosivos, marcantes nas bordas das bacias;
! Para atual proposta (Ross, 1989): o relevo apresenta três tipos de unidades geomorfológicas, que refletem suas gêneses: planaltos, depressões e planícies.
Principais Unidades
! A amplitude e a declividade caracterizam as formas de relevo, as quais, em seu arranjo espacial, permitem definir diversos tipos de relevo. É possível identificar superfícies planas, relevos colinosos, regiões montanhosas.
! Planaltos, Planícies e Depressões

! Planalto: São compartimentos de relevo elevados, em relação aos relevos vizinhos, podendo constituir relevos residuais, nos quais se destacam rochas mais resistentes, ou representar blocos tectônicos soerguidos. São diferenciados em bacias sedimentares e em áreas do embasamento cristalino.
! É uma superfície irregular, com altitudes superiores a 200 m, resultante da erosão de rocha cristalina ou sedimentar. É a forma de relevo predominante no país e pode ter a forma de serras, chapadas, coxilhas, cuestas, etc.
! Os planaltos em bacias sedimentares estão circundados por depressões periféricas, cujo contato comumente apresenta relevos de cuestas. No interior desses planaltos, o relevo, de modo geral, é colinoso. Podem ocorrer também relevos de chapadas formados por extensas e elevadas superfícies erosivas.
Serras são relevos alongados com topos irregulares, por vezes isolados. Em geral são alinhamentos de montanhas antigas que foram erodidas e falhadas. A denominação também pode se referir a áreas de bordas ou paredes de planalto.
Nessa foto, ao fundo, um aspecto da serra do Mar que se estende do litoral do Rio de Janeiro ao litoral de Santa Catarina.
Os planaltos em áreas cristalinas caracterizam-se por relevos de morrotes, morros, montanhas, serras, cristas e escarpas que evidenciam sua constituição litoestrutural, bem como processos tectônicos póscretáceos, como no caso do Vale do Paraíba.
Os paredões sedimentares abruptos que aparecem no trecho da Serra Geral, entre os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, recebem o nome local de Aparados da Serra e atingem uma altitude de cerca de 1200 metros. A foto permite observar as diversas camadas de deposição de sedimentos que deram origem às rochas expostas nos paredões. Estes surgem como resultado do trabalho erosivo dos rios, escavando vales estreitos e profundos no pacote de rochas relativamente frágeis. As camadas superiores, correspondendo ao topo da "serra", constituem-se de rochas mais duras que, oferecendo maior resistência ao trabalho erosivo, permitem que a superfície fique preservada, formando áreas quase totalmente planas localizada no Mato Grosso, a Chapada dos Guimarães constitui uma típica forma de relevo da região Centro-Oeste, um grande tabuleiro ou mesa de topo plano e encostas escarpadas, com altitudes médias entre 500 e 700 metros. Entretanto, entre a paisagem do primeiro plano e a do fundo podemos perceber uma depressão. As depressões podem ter sido geradas por processos erosivos em rochas sedimentares ou por afundamento de terreno. Constituem a segunda mais importante forma de relevo no Brasil.

! Depressão: São grandes unidades morfoesculturais, deprimidas em relação aos compartimentos vizinhos, formadas tanto como conseqüência de blocos tectônicos rebaixados, como em conseqüência da alternância de processos climáticos úmidos e secos, que ocorreram no cenozóico e desenvolveram extensas superfícies erosivas, que nivelaram tanto as rochas sedimentares como o embasamento cristalino.

! Planície: As planícies são, essencialmente, áreas planas, que correspondem a bacias sedimentares meso-cenozóicas, com sedimentação fluvial, lacustre e/ou marinha recentes. As formas de relevo são agradacionais através das formas de unidades:

Planaltos 
1. Bacias Sedimentares
2. Intrusões e coberturas residuais de plataforma
3. Cinturões Orogênicos
4. Núcleos cristalinos arqueados

 Planícies
1. Do Rio Amazonas
2. Do Rio Araguai
3. Do Rio Guaporé
4. Pantanal e Mato-grossense
5. Patos e Mirim
6. Planícies e Tabuleiros litorâneos

Depressões:
1. Amazônica Ocidental
2. Araguaia
3. Cuiabana
4. Alto Paraguai-Guaporé
5. Depressão de Miranda
6. Sertaneja e do São
Francisco
7. Tocantins
8. Periférica da Borda leste
do Paraná
9. Periférica sul-riograndense



Fontes de Pesquisa:







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marcadores