ESTE BLOG POSSUI CONTEÚDOS ACADÊMICOS RELACIONADOS AO CURSO DE GEOGRAFIA (LICENCIATURA) E, CONTEÚDOS DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA. OBRIGADO PELA VISITA.

COLABORE COM O DESENVOLVIMENTO DESTE BLOG, PARA MAIS ESTUDOS E INFORMAÇÕES IMPORTANTES. MANDE SUA COLABORAÇÃO PARA BANCO DO BRASIL AGENCIA 3744-3 CONTA 9.422-6 MISSAL / PARANÁ.

INTERESSE EM PATROCINAR ESTE BLOG ENTRE EM CONTATO PELO E-MAIL anderson_josebender@hotmail.com

Quem sou eu

Minha foto
Sou simples, honesto, sincero, dedicado, carinhoso, compreensível e de muita fé em DEUS. Sou católico, Professor formado em Educação Infantil, pelo curso de formação de docentes do C.E.P.E.M (Colégio Estadual Padre Eduardo Michelis) de Missal - PR, formado em Geografia (licenciatura) pela UNIGUAÇU – FAESI, e cursando atualmente Pós - Graduação em Educação Especial e Inclusiva.

Pesquisar no blog

Origem das Visitas

terça-feira, 15 de março de 2011

A educação como descoberta da alegria de viver: amar, acordar, libertar e agir






Destina – se esta atividade a atender requisitos parciais da disciplina de Fundamentos da Educação Filosofia e História, ministrada pelo professor: Luis Carlos Da Faculdade de Ensino Superior de São Miguel do Iguaçu. UNIGUAÇU – FAESI.


Para fundamentar a teoria da educação, Rubem Alves parte da sociedade capitalista contemporânea, onde as pessoas perdem a sua “identidade”, são como plantas. Vicejam e florescem em nichos ecológicos, naquele conjunto precário de situações que as tornam possíveis. Destruindo esse habitat, a vida vai se encolhendo até sumir.
Essa é a sociedade que prefere os “eucaliptos aos jequitibás”. Os eucaliptos crescem depressa para substituir as velhas arvores seculares que ninguém viu nascer nem plantou. É através de metáfora como essa que Alves procura mostrar a necessidade da formação de um educador capaz de superar a que é submetido, distinguindo o professor do educador. O professor seria essa arvore facilmente substituível, gerenciados, administrados e controlados pelos interesses do sistema, pois de qualquer forma o professor trabalha sem interesse e sem prazer, apenas para obter um salário e usufruir dele sendo ainda comparado pelo autor como um remador que está sempre remando para frente com mais vigor, mas sem questionar a direção.
No parágrafo anterior o autor nos diz que o professor na maioria das vezes finge que ensina e o aluno finge que aprende, pois o professor esta regido por um sistema tradicional onde segue parâmetros de disciplina ultrapassada, ou seja, não inova, não traz novidades nem interage com o aluno apenas segue os interesses do sistema.
Já em outro enfoque de Rubem ele nos apresenta a idéia que o educador tem amor e paixão pelo que faz. Pois o mesmo leva em conta as características de cada aluno. O educador não é aquele que reproduz os sermões, mas aquele que desperta consciência para que as idéias triunfem onde se possa estabelecer uma aliança. O educador fala com o corpo, daí a necessidade de lê-lo e relê-lo, pois o corpo é o primeiro livro que devemos descobrir. 
Alves nos diz que, ao contrario do professor o educador vem com novos objetivos para a educação, pois o mesmo está inovando, esta fazendo do ambiente em que ensina um espaço amplo, rico em diversificações de ensino, de interação, onde o aluno sente prazer em aprender, pois a aula acaba se tornando interessante a ponto de prender a atenção de todos deixando assim, tudo em perfeita sintonia.
O autor ainda nos fala da necessidade de redescobrir a “alegria de viver”, pois a escola precisa ser mais alegre para conseguir ser mais séria. Rubens Alves refere-se constantemente ao tema alienação sugerindo a necessidade de o educador reaprender a falar e, como um jequitibá, ter uma face, uma história, uma esperança. A alienação é fruto de um seguimento cego às regras da moral da ciência, da religião etc., o educador é aquele que emerge junto com seus educandos para educar, pois educar é tornar-se pessoa, pois o educador tem duas funções básicas: função crítica e função criativa.





Referencias



GADOTTI, Moacir. Pensamento Pedagógico Brasileiro. São Paulo: Atica, 2003

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Marcadores